segunda-feira, 30 de novembro de 2015


" Se você sobreviver sem mim, quem sabe poderemos nos encontrar em uma nova estrada. Eu não serei tão amigável, pois não a deixarei fugir levando o que não lhe pertence:
Meus eus infinitos, minha pele, meus vícios, minha necessidade de solidão. Claro que isso é apenas uma hipótese que estou considerando no caso de você conseguir sobreviver sem mim. "

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Dores que transformam

Bom, em setembro de 2016 foi último post, e tanta coisa aconteceu de lá pra cá e elas estarão presente nas entrelinhas dos meus próximos pos...