terça-feira, 13 de agosto de 2013

Como se vai embora de uma pessoa? Onde se compra a passagem? Vai-se de ônibus? Avião? Trem? Ou vai-se a pé tropeçando na vontade tola de voltar? Quantos quilômetros de tempo são necessários para estar longe o suficiente? É preciso viajar até mudar de estado para mudar o estado da alma? Como se vai embora de uma pessoa? Esquecer é sofrer um acidente neste incidente todo que é amar.
Haverá um momento em sua vida em que o amor vai chegar. Antes disso, você terá feito tudo o que podia, tentado tudo o que podia, sofrido o quanto podia e desistido muitas vezes. Mas, com a mesma certeza com que você está lendo este texto, posso lhe garantir que esse dia virá…

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

terça-feira, 6 de agosto de 2013

O IMPOSSÍVEL É O SOBRENOME DO MEDO

Perdemos mais tempo arrumando desculpas do que vivendo.

Perdemos mais tempo adiando do que aceitando a dificuldade.

Perdemos mais tempo explicando a desistência do que enfrentando o sim.

Eu garanto que a fuga dá mais trabalho do que se encontrar. Porque estaremos longe, mas com saudade. Porque estaremos protegidos, mas vazios. Porque estaremos aliviados, mas entediados.

Os riscos valorizam a recompensa.

Eu pensei que nunca percorreria o corredor de minha infância caminhando, mas o vô me esperava do outro lado. Eu caí e ele me levantou com suas mãos de regente.


Eu pensei que nunca me manteria equilibrado numa bicicleta, mas meu pai fingiu que segurava a minha garupa e pedalei de olhos fechados com o vento me guiando.

Eu pensei que nunca aprenderia a ler e a escrever, mas a letra da minha mãe foi a escada para as histórias.

Eu pensei que nunca teria um namorado, mas o beijo veio distraído no recreio da segunda série.

Eu pensei que nunca conseguiria nadar, mas os braços foram se revezando até atravessar a piscina.

Eu pensei que nunca passaria no vestibular, mas sacrifiquei noites e pesadelos para um lugar na faculdade.

Eu pensei que nunca dividiria a casa com alguém, eu pensei que nunca seria dependente do olhar de um homem, eu pensei que nunca seria feliz.

Eu pensei, mas fui fazendo. Fazendo. Fazendo.

O impossível é apenas o sobrenome do medo.

O impossível é o possível repartido. O impossível é o possível a dois.
O que estou fazendo aqui?

O que estou fazendo ainda aqui? Pode me perguntar.
Isso não é um texto, sou eu.

Vou esperar sua resposta.

Não mando sms, não telefono, não apareço, mas não desisto.

Aguardo seu movimento em minha direção.

Estou no lugar que você me conheceu: nas palavras, nas letras.

Estou no lugar que você me enxergará com mais facilidade, para não gerar desencontro.

Não me arrisco a sair daqui e perder você vindo. Vindo. Vindo.

Esta é a minha solidão.

A solidão veste a falta.

A vida se intensifica com os intervalos.

quinta-feira, 1 de agosto de 2013



Eu não vou terminar antes do amor. Tenho fé em nosso amor. Tenho fé no meu amor por você. 

Não irei desistir de você, daquilo que vivemos e principalmente daquilo que viveremos lado a lado. Não mentirei para mim sem antes tentar tudo, sem antes brigar pelo homem da minha vida.

Minha coragem é a falta que sinto de você.
Não irei jogar fora os próximos capítulos de nossa história. Não irei desistir dos seus olhos, de sua boca.
Não irei aceitar a brevidade, o fim precoce, como se o nosso encontro tivesse sido uma aventura ou uma paixão.

Não esgotamos nem o início de nossa entrega.

Nossa intensidade precisa de longa convivência para se espalhar, senão enlouqueceremos carregando a dúvida dentro de nós.

Não vou desistir, espero que esteja lendo aqui. Saber que me lê é encostar suavemente o meu cabelo em suas costas.

Não estou me diminuindo. Só se diminui quem não assume seu amor.

Não estou sendo submissa; submissa é quem não muda a realidade. Eu quero mudar, não nos entregarei de bandeja ao remorso.

Não pretendo que, daqui a alguns anos, a gente lamente o tamanho de nosso erro — podemos perceber agora e ainda corrigir.

Meu Amor, não se deixe acostumar com a tristeza. Não diga que foi melhor assim. Não se engane com o falso alívio.

Não podemos nos submeter ao destino.

O destino já fez seu trabalho de nos aproximar – agora ele pede nosso esforço.

O destino depois nunca reconcilia ninguém. O destino depois só afasta. O destino depois transforma o tempo em resignação

O destino depende que os dois se movimentem com todas as suas fraquezas. Venha, por favor.