quinta-feira, 1 de outubro de 2015

" Não há segurança nenhuma no amor livre. Admito, porém, que não reconhecer-me pertencente ao outro é muito excitante. Eu não me lembro de ter sido feliz tendo a garantia de amar e ser amada. Acho que isso é para poucos. Gosto da sensação de ter um grito preso que guarda em si a ambiguidade de, às vezes ser medo e noutras desejo. "

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Dores que transformam

Bom, em setembro de 2016 foi último post, e tanta coisa aconteceu de lá pra cá e elas estarão presente nas entrelinhas dos meus próximos pos...