sexta-feira, 1 de março de 2013

Não pretendo que a poesia seja um antídoto para a tecnocracia atual.
Mas sim um alívio. Como quem se livra de vez em quando de um sapato apertado e passeia descalço sobre a relva, ficando assim mais próximo da natureza, mas por dentro da vida. Porque as máquinas um dia viram sucata. A poesia, nunca.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Dores que transformam

Bom, em setembro de 2016 foi último post, e tanta coisa aconteceu de lá pra cá e elas estarão presente nas entrelinhas dos meus próximos pos...