domingo, 22 de agosto de 2010

No meio do caminho... Mas, presente.

"O que é concorrido eu entrego sem apego. Não me apetece a disputa; entre o que se conquista obstinadamente e o que se ganha em liberdade, eu não hesito: o que é livre sempre me prende.
(...)
As guerras, os duelos, os capeonatos são descartados por mim. Esses ficam para os que cobiçam troféus. Eu ainda desejo os verdadeiros presentes."



Goya - Volaverunt 1797/99

"Amar a poucos e amá-los de verdade vale mais do que o amor superficial devotado a muitos. No entanto, esse amor pressupõe deixar livre - só acredito no amor que cresce na liberdade; amo aquilo que livremente se solidifica.Conceda-me o absurdo de existir genuinamente dentro dos meus avessos, e provavelmente permanecerei. Serei perto... serei longe... no meio do caminho... Mas, presente.

Não me subtraia, nem me divida. Não me adicione, nem me multiplique. Não pertenço ao mundo clássico das coisas exatas. Onde existe inexatidão, ali, eu existo!" Susana Martins
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deus não apenas perdoa, ele esquece. Apaga a Lousa. Destrói as provas. Queima o filme. Formata o computador. Ele não se lembra dos meus erro...