sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

Mas como fazer se não te enterneces com meus defeitos, enquanto eu amei os teus.

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Mas agora tá tudo bem. Aprendi que quanto mais superficialmente você costura uma relação, menos chance há de se afogar. Navegar é preciso, o negócio é não faltar nas aulas sobre como boiar em águas nem doces nem salgadas. Hoje posso dizer convicta que prefiro o clarão das aparências que a penumbra de mergulhar fundo, sem saber como respirar abaixo do chão. Agora, como boa marinheira de incontáveis viagens, finalmente sei como desatar nós.

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Eu gosto mesmo é da minha companhia,
pois, eu respeito meus limites, e entendo
os meus desejos, sei do meu temperamento,
e não preciso pedir nada ao meu favor,
exceto que eu mesma me faça feliz...

Comigo mesma não preciso acertar sempre,
posso falar dos meus segredos mais secretos,
inclusive sonhar com você e sorrir, sem ter
que dar explicações.
Ela, rangendo os dentes de raiva, desabafou: "Estou cansada. Minha vida anda, anda, anda e não anda nada".
"Será?", pensei.

Pensei...

E depois, entendi tudo! A vida é igual um avião cujo movimento é mais facilmente percebido por quem está fora.
E ela não havia percebido o quanto, através de simples passos, ela já havia percorrido, com sucesso, incontáveis milhas.
Afinal, na vida, cada segundo respirado é uma milha percorrida.
Ela era um Concorde e não concordava.

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Da série: Conversas de avião

- É que eu reparei que você está lendo A Viagem Fantástica, do Asimov. O que está achando dele?

- Na verdade, acabei de começar a leitura, mas estou animada. Gosto do Asimov porque ele usa fundamentos científicos prováveis em suas histórias de ficção e não apenas palavras da ciência para enganar o leitor.

- Concordo. Suas histórias talvez possam ser realizadas no futuro. Aliás, ele gosta de escrever sobre viagens. Você já reparou como os livros que relatam viagens encantam as pessoas?

- Nunca tinha parado para pensar sobre isso, mas acho que você tem razão, pois viajar é um forte desejo humano. Tanto a viagem como o livro nos colocam frente ao desconhecido, que é, ao mesmo tempo, excitante e amedrontador.

Estava começando a gostar daquele gringo. Era bem-humorado e entendia de literatura. Resolvi cutucá-lo. Se a conversa estivesse boa eu poderia dar-lhe corda, se não, tinha a desculpa de voltar à leitura.

- Assim como Ulisses e Telêmaco, Vasco da Gama, em Os Lusíadas, é protegido por alguns deuses e perseguido por outros. E você reparou que, em ambos os casos, o objetivo final da viagem é voltar para casa? Fico pensando que esse seria o objetivo de qualquer viagem. Voltar para casa.

- Ou voltar-se a si mesmo - continuou ele. - Olhar o exterior para entender melhor o interior. Você tem razão quanto ao destino final.

- Você volta diferente, melhor do que era antes de partir. A conclusão é que a melhor parte de uma viagem é a volta? - perguntei.

- Não, a melhor parte é o aprendizado. Veja o caso dos livros do escritor brasileiro que está despontando no mundo. Seus personagens voltam para casa só após terem aprendido alguma coisa. (Ele estava se referindo ao Paulo Coelho, que na época já tinha lançado seus dois primeiros livros, ambos sobre viagens.)

Já se passaram um tempo desde esse encontro. Não me lembro o nome dele, nem se o diálogo foi exatamente assim. Mas me lembro bem do assunto, sobre ele, lembro que estava morando no Brasil porque havia se apaixonado primeiro por uma brasileira do Norte e depois por nossa cultura, música e comida. E lembro que ele citou Bob Dylan antes de pedir licença e se recostar na poltrona para dormir o resto do voo:

- Yes, my friend:("A vida nada mais é do que uma viagem") E me deixou com o livro nas mãos, a cabeça cheia de pensamentos e o coração pulsando com a ideia de que a vida é uma viagem fantástica. Nunca mais parei de me considerar uma viajante para seguir em frente, seja em outro continente, seja em meu bairro.

Viajar é uma das melhores sensações da vida. Uma viagem não se esgota no retorno. Continua em nossa lembrança em forma de imagens, sons, cheiros, texturas. Uma viagem pode não ser a vida, mas é uma bela metáfora dela, pois nos faz defrontar uma realidade maior e nos abre a alma para o entendimento.

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Benditos são os que levam a vida sem tantas cobranças, exigências ou lamentações. Benditos são os que simplesmente vivem, cometem suas loucuras e se perdoam por isso.

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Ao invés de me lamentar, penso cada vez mais no quão fascinante é a vida: temos enormes desafios e cabe a cada um dar resposta aos dilemas.

Não é bom terceirizar os dilemas existenciais: ou seja, tentar se encostar em alguém para que eles resolvam nossas carências e dificuldades.




Buscar um parceiro para, juntos, lidarmos com os problemas da vida é enriquecedor. Buscar alguém para nos carregar nas costas é imaturidade.

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

A verdade é que vão existir centenas de pessoas querendo te querer bem. Centenas de aproveitadores, de vazios de coração, de coração cheios de segundas intenções, de interesseiros, de forasteiros, de príncipes, princesas, bruxas, sapos, rãs, lobos, raposas, mocinhos, vilões, pessoas com o coração cheios de buracos achando que você é estepe. E você só precisa escolher uma.
Deus tem sido muito bom comigo. Vez em quando, ele me sorri, brinca de acender céu. Longe daquele Deus que eu tanto temi quando criança. Longe daquele Deus rancoroso que nos mostra o antigo testamento. Deus tem apaziguado meu caminho. Tem colocado mais flores que pedras.
Tenho pensado, nos últimos dias, em como Deus escolhe a dedo as pessoas que coloca perto da gente. E que, sem essas pessoas, as coisas seriam outras e a sorte, pequena. Tenho pensando, nos últimos dias, em como ele coloca uma luz, quando tudo parece não fazer sentido. Tenho aprendido muito. Tenho me enchido de luz. Tenho agradecido também, pelas coisas que alcancei, pelas mudas de sol postas no caminho, pelas pessoas cheias de luz e sorrisos bonitos. Tenho agradecido também pelas coisas feias que me atravancaram o caminho, mas que me tornaram mais forte e pronta pra enfrentar a vida. Tenho agradecido pelas ciladas do tempo, que só têm aumentado a minha fé e meu 'olhar com amor' para o mundo.
E, do meu jeito, tento retribuir da forma mais simples que sei: transbordando amor. Amor nas palavras, amor nos sorrisos, amor em tudo que eu faço, amor em tudo que eu vejo. Porque Amar, como diria a Dona Ana Bonita, já é uma forma de prece.

Então, eu amo!
Toda mulher tem um pouco...
De criança, de maluca...
Meu pouco criança sofre e se diverte com meu pouco louca...
Meu pouco adulta perdoa tudo porque tem total consciência do meu pouco criança.
Quem em cada pouco põe tudo que é merece ser feliz.
E muito!

terça-feira, 5 de novembro de 2013

Ele era o remédio pra minha loucura, porque de alguma forma ele a compreendia. E foi por isso que eu fui, bati na porta da sua casa, e ele abriu bastante surpreso a me ver. Eu não tinha corrido, mas estava cansada, não estar perto dele me desgastava. ‘Não consigo mais’ eu disse, beirando a desespero. Ele me lançou um olhar cúmplice e respondeu: ‘Eu também’ e depois sorriu.

Quem roubou suas cores?

Tenho uma amiga que quando percebe que eu estou triste costuma me perguntar quem roubou a minha caixa de lápis de cor. Tem vez que nem pergunta, apenas comenta: “poxa, dessa vez levaram as cores que você mais gosta!” (...) algumas vezes, quando eu choro diante dessa indagação não é pelas cores que não encontro na caixa nem por lembrar de quem supostamente as roubou. Choro por perceber que ainda dou aos outros o poder de roubá-las. Por notar que, no fim das contas, quem rouba os meus lápis de cor preferidos sou eu.
Ver tv me deprime, então resolvo ler. Que me deprime. Então resolvo dançar de pijama na cozinha. Que me deprime. Então resolvo ver TV. Que me dá sono. E sono não me deixa triste. Mas sonhar me deixa. Porque todas as noites eu sonho que estico o braço e encontro as costas dele. E enfio a mão pela camiseta amarela e faço carinho nas costas dele. E o mundo ficava tão limpo, tão lindo...E desde que ele se foi o mundo ficou sujo. E então fico muito, muito, muito, muito triste...
Resolvi deixar cada um curar suas próprias expectativas. Não posso alimentar os anseios alheios e me importo muito pouco com a opinião (quase sempre vaga) das pessoas. Acredito que isso possa me levar a lugares bons. É desnecessário ficar tentando provar algo a alguém. As pessoas sempre tomam como verdade aquilo que lhes convém.

Café quase amargo

Entre xícaras de café quase amargo, e ao som de um rock muito tocado, vou amarrando as pontas das milhares de circunstâncias que insistem em fazer parte de mim...em circunstâncias, leia-se: dúvidas, casos mal resolvidos, tentativas frustradas, planos indefinidos...um turbilhão que o café não ameniza, mas que o solo da velha guitarra absorve e leva para plano do bem estar.
Me vem à cabeça as palavras que desperdicei, ou melhor; as que usei em demasia...
Nem toda palavra merece desperdício. Nem todo ato mal concretizado é digno de reparo.
A falta de compreensão em coisas banais, me mostra em realidade o quanto preciso de aperfeiçoamento, e paralelamente o quanto a capacidade de ser mutável [em sentido físico, convicções] me beneficia, me cria e modela. Pra melhor.
Não quero ter uma vida da qual fugir, apenas preciso de café quase amargo, um pouco de música e um lugar pra escrever essas circunstâncias, não como fuga, mas como tentativa de compreendê-las. Solucioná-las.
Música, café, palavras mal elaboradas, solução.

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Meu coração é livre, mesmo amando tanto. Tenho um ritmo que me complica. Uma vontade de viver que não passa. Não sou fácil. Apesar de não colecionar inimigos, quase nunca estou pra ninguém. Mudo de humor conforme a lua. Me irrito fácil. Me desinteresso à toa. Tenho um desassossego que me acompanha desde de criança e um par de asas que nunca deixo.

terça-feira, 1 de outubro de 2013

O fato é que ele sorriu e tirou a beleza de todos os outros.
Sabe aquele sorriso de alma inteira, que faz você perceber o quanto está lascada...Aquele jeito transparente, extremo e sedutor do Sr. de todos os leoninos...
Se qualquer outra pessoa usasse aquelas palavras, seria ridículo... Mas ele falando é cômico, me deixa parecendo uma boboca e me faz perder todo o senso.
As vontades, as imoralidades cometidas e correspondidas
O problema é que eu sou imoral também, exagerada, impulsiva.

E ele é lindo, irresistível e vicia.
Eu sou uma boboca. E eu gostei dele. Inevitavelmente.
O suficiente pro meu corpo esquentar quando está perto, tremer, calar, sorrir involuntariamente.

Era um dia bobo, um dia que eu gravei...

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Não te amo mesmo não,

Mas te quero pra brincar de amor de vez em quando, por que falar de amor com você é mais fácil, é mais simples, e apesar de tudo é tão nós. Nossa história é mais longa do que eu possa contar. Mas contei.

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Você me ama o bastante para que eu possa ser fraco com você? Todos amam a força, mas você me ama pela minha fraqueza? Esse é o verdadeiro teste. Você me ama despido de tudo que pode ser perdido, apenas pelas coisas que eu terei para sempre?

terça-feira, 13 de agosto de 2013

Como se vai embora de uma pessoa? Onde se compra a passagem? Vai-se de ônibus? Avião? Trem? Ou vai-se a pé tropeçando na vontade tola de voltar? Quantos quilômetros de tempo são necessários para estar longe o suficiente? É preciso viajar até mudar de estado para mudar o estado da alma? Como se vai embora de uma pessoa? Esquecer é sofrer um acidente neste incidente todo que é amar.
Haverá um momento em sua vida em que o amor vai chegar. Antes disso, você terá feito tudo o que podia, tentado tudo o que podia, sofrido o quanto podia e desistido muitas vezes. Mas, com a mesma certeza com que você está lendo este texto, posso lhe garantir que esse dia virá…

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

terça-feira, 6 de agosto de 2013

O IMPOSSÍVEL É O SOBRENOME DO MEDO

Perdemos mais tempo arrumando desculpas do que vivendo.

Perdemos mais tempo adiando do que aceitando a dificuldade.

Perdemos mais tempo explicando a desistência do que enfrentando o sim.

Eu garanto que a fuga dá mais trabalho do que se encontrar. Porque estaremos longe, mas com saudade. Porque estaremos protegidos, mas vazios. Porque estaremos aliviados, mas entediados.

Os riscos valorizam a recompensa.

Eu pensei que nunca percorreria o corredor de minha infância caminhando, mas o vô me esperava do outro lado. Eu caí e ele me levantou com suas mãos de regente.


Eu pensei que nunca me manteria equilibrado numa bicicleta, mas meu pai fingiu que segurava a minha garupa e pedalei de olhos fechados com o vento me guiando.

Eu pensei que nunca aprenderia a ler e a escrever, mas a letra da minha mãe foi a escada para as histórias.

Eu pensei que nunca teria um namorado, mas o beijo veio distraído no recreio da segunda série.

Eu pensei que nunca conseguiria nadar, mas os braços foram se revezando até atravessar a piscina.

Eu pensei que nunca passaria no vestibular, mas sacrifiquei noites e pesadelos para um lugar na faculdade.

Eu pensei que nunca dividiria a casa com alguém, eu pensei que nunca seria dependente do olhar de um homem, eu pensei que nunca seria feliz.

Eu pensei, mas fui fazendo. Fazendo. Fazendo.

O impossível é apenas o sobrenome do medo.

O impossível é o possível repartido. O impossível é o possível a dois.
O que estou fazendo aqui?

O que estou fazendo ainda aqui? Pode me perguntar.
Isso não é um texto, sou eu.

Vou esperar sua resposta.

Não mando sms, não telefono, não apareço, mas não desisto.

Aguardo seu movimento em minha direção.

Estou no lugar que você me conheceu: nas palavras, nas letras.

Estou no lugar que você me enxergará com mais facilidade, para não gerar desencontro.

Não me arrisco a sair daqui e perder você vindo. Vindo. Vindo.

Esta é a minha solidão.

A solidão veste a falta.

A vida se intensifica com os intervalos.

quinta-feira, 1 de agosto de 2013



Eu não vou terminar antes do amor. Tenho fé em nosso amor. Tenho fé no meu amor por você. 

Não irei desistir de você, daquilo que vivemos e principalmente daquilo que viveremos lado a lado. Não mentirei para mim sem antes tentar tudo, sem antes brigar pelo homem da minha vida.

Minha coragem é a falta que sinto de você.
Não irei jogar fora os próximos capítulos de nossa história. Não irei desistir dos seus olhos, de sua boca.
Não irei aceitar a brevidade, o fim precoce, como se o nosso encontro tivesse sido uma aventura ou uma paixão.

Não esgotamos nem o início de nossa entrega.

Nossa intensidade precisa de longa convivência para se espalhar, senão enlouqueceremos carregando a dúvida dentro de nós.

Não vou desistir, espero que esteja lendo aqui. Saber que me lê é encostar suavemente o meu cabelo em suas costas.

Não estou me diminuindo. Só se diminui quem não assume seu amor.

Não estou sendo submissa; submissa é quem não muda a realidade. Eu quero mudar, não nos entregarei de bandeja ao remorso.

Não pretendo que, daqui a alguns anos, a gente lamente o tamanho de nosso erro — podemos perceber agora e ainda corrigir.

Meu Amor, não se deixe acostumar com a tristeza. Não diga que foi melhor assim. Não se engane com o falso alívio.

Não podemos nos submeter ao destino.

O destino já fez seu trabalho de nos aproximar – agora ele pede nosso esforço.

O destino depois nunca reconcilia ninguém. O destino depois só afasta. O destino depois transforma o tempo em resignação

O destino depende que os dois se movimentem com todas as suas fraquezas. Venha, por favor.

quarta-feira, 31 de julho de 2013

Porque amor a gente encontra aonde ninguém foi. E a gente percebe o amor naquela pessoa de um jeito bonito. E reconstruímos a ideia de que ‘para sempre’ existe. E não nos parece loucura dizer que o amor existe infinitamente. Foi assim com você: acredito em todas as possibilidades de salvação, em todas as possibilidades de cura, em todas as formas de felicidades entre nós, em nós, conosco.

terça-feira, 30 de julho de 2013

O seu olhar parece me ter algo a dizer, porque disfarça, tenta esconder o que eu já sei… Olha pra mim, se entrega num sorriso feliz, compreende que tudo em você me faz tanto bem, e essa razão não faz sentido se o coração descompassou e se transformou em pleno amor… Coisa boa! Tem meu olhar o tempo inteiro ao seu dispor, a te admirar, proteger… Viver pra você! Quando você chegou mudou a paisagem, algo se revelou no meio da viagem, que já tive você num tempo de felicidade, eu senti ao te ver, amor com um “quê" de saudade
11º MANDAMENTO: NÃO DESAPAREÇA NO PASSADO

Eu nunca errei em amar, posso ter errado o destino de meu amor.

Não darei ao passado minha personalidade, minha paixão, meu temperamento, minha esperança.

Não desisto de minha alegria porque alguém não entendeu antes. Não desisto de minha ingenuidade porque alguém não me cuidou antes. Não desisto de minha coragem porque alguém se acovardou antes. Não desisto de mim porque já sofri antes. Amar é continuar sendo até acertar a companhia.

Me ame com fé.















A fé casa mais do que o amor.
A fé é uma esperança que não morre.
Que você tenha fé em mim mais do que esperança.
Pela fé acreditará sempre em mim, tanto faz o que aconteça, tanto faz o desespero.
Estará comigo na pobreza, na doença, na falência, na dor, na angústia até a noite escura dobrar a esquina do sol.
Hoje todo mundo não quer relacionamento, mas felicidade. Ser feliz o mais rápido possível.
Felicidade é fácil, a fé é difícil.
Felicidade no empurra ao descarte, fé nos ensina a valorizar o pouco que somos.
Felicidade é atingir objetivos, fé é não largar a mão de nossa companhia mesmo quando os objetivos não são atingidos.
A fé é estar junto mesmo quando somos tristes. É ajudar o outro a se levantar. É não abandonar o outro porque ele está passando dificuldades.
A fé é uma certeza para suportar todas as demais dúvidas.
O amor nunca passa sem a fé. A felicidade passa, sempre passa.
Amor nos leva para fé, a felicidade só nos leva ao egoísmo.

sexta-feira, 19 de julho de 2013

É tão mais divertido quando estamos com a pessoa certa, porque você pode levar e deixar-se levar, e aí você se sente bem e acaba mostrando um pouco de quem você é de verdade.

terça-feira, 16 de julho de 2013

Aprendi que certas pessoas vão embora da nossa vida de qualquer maneira, mesmo que desejemos retê-las para sempre. Aprendi, afinal, que é difícil traçar uma linha entre amar e ser amado, aceitar e ser aceito. 



E as horas lá se vão.. Loucas ou tristes, mas é tão bom, em meio às horas todas, pensar em ti, saber que tu existe…
E apesar de muitos nos quererem sorrindo, eu gosto muito dos que nos aceitam chorando.
É aquela vontade de andar de mãos dadas durante o dia e de pés dados durante a noite.

sexta-feira, 12 de julho de 2013

Luto!

Papai...Ainda dói tanto você longe de mim...Uma saudade sem fim.
Suas lições nunca serão esquecidas,  seu jeito leve e feliz de levar a vida.
Agradeço a Deus,  por todos os dias que pude dividir contigo
E você nem imagina quantos sorrisos eu já dei só de pensar em você...

Docinho!

Amor pra mim é ser capaz de permitir que aquele que eu amo exista como tal; como ele mesmo. Isso deve ser o mais pleno amor: Dar a liberdade dele existir ao meu lado do jeito que ele é.

quinta-feira, 4 de julho de 2013

A pessoa certa vai amar todas as coisas que a pessoa errada achava que eram problemas em você.

terça-feira, 11 de junho de 2013

Devagarinho, a gente começa a sentir que algo precisa ser feito. Embora ainda não faça. Embora ainda insista em fazer ouvidos de mercador para a própria consciência. Embora às vezes ainda estresse toda a musculatura da alma, lesione a vida, enrijeça o riso, embace o brilho dos olhos, envenene os rios por onde corre o amor. Por medo da mudança, quando não dá mais para carregar tanto peso, a gente aprende a empurrá-lo, desaprendendo um pouco mais o prazer. Quase nem consegue respirar de tanto esforço, mas aguenta ou pelo menos faz de conta, algumas vezes até com estranho orgulho. Até que chega a hora em que a resistência é vencida. A gente aceita encarar o casulo. A gente deixa a natureza tecer outra história. A gente quer tecer junto. A gente permite que o efeito borboleta aconteça.
Pessoas com vidas interessantes não têm fricote. Elas trocam de cidade. Sentem-se em casa em qualquer lugar. Investem em projetos sem garantia. Aceitam um convite para fazer o que nunca fizeram. Estão dispostas a mudar de cor preferida, de prato predileto. Começam do zero inúmeras vezes. Não se assustam com a passagem do tempo. Sobem no palco, tosam o cabelo, fazem loucuras por amor e compram passagens só de ida...
Eu acho uma delícia quando você esquece os olhos em cima dos meus, ou quando sua risada se confunde com a minha.
Vida é aquilo que passa enquanto você olha o celular...você perde o sorriso, o brilho, o vento... Com o celular você pode ver e mostrar; o que só poderá sentir, VIVENDO.

terça-feira, 28 de maio de 2013



Tentei tanto ir em frente, tanto seguir um novo caminho que não fosse você, que consegui. E que não soe desastroso, meu bem, mas esqueci. De você. De mim. De nós. Esqueci.

segunda-feira, 13 de maio de 2013

Meu bem, talvez você possa compreender a minha solidão
O meu som e a minha fúria e essa pressa de viver
E esse jeito de deixar sempre de lado a certeza
E arriscar tudo de novo com paixão
Andar caminho errado pela simples alegria de ser.

quarta-feira, 8 de maio de 2013

Do outro lado da mesa

"Todos os primeiros encontros são decepcionantes, todos!". Foi isso que ouvi uma amiga cuspir na minha orelha com toda fúria.

- Se você está numa vibe romântica – continuou ela, irritada -, o cara fica cortando sua onda.

Se você quer transar com ele, ele fica apavorado para que você não se apaixone.

Se você fica nervosa porque vai encontrá-lo, ele diz que isso é fruto de uma alta expectativa.

Se você diz que não faz questão de jantar com vinho e velas, ele diz que você não está dando a atenção que ele merece.

Não dá pra vencer esse jogo!

Mulheres (e homens) saem para um primeiro encontro pensando no que o outro pode lhes dar, nas suas necessidades femininas, nos seus desejos, nas suas carências e frustrações. É como se houvesse uma fumaça ora rosa-choque, ora negra, a lhes envolver, uma fumaça que as induz a exigir que o gajo em questão supra suas carências (de preferência todas) e sane suas frustrações (de preferência todas). E de preferência na primeira noite.

Não há possibilidade de que algum prazer, qualquer prazer, ecloda daí.

Minha amiga me pergunta o que, na minha sacrossanta opinião, seria um bom primeiro encontro. Por conta da sua ironia mal disfarçada, a convido para um café (vamos adoçar um pouco a moça) e só então digo o que penso.

Um bom primeiro encontro deveria ser uma dedicação ao amor, mas eu não me refiro a esse amor romântico cheio de taxas sob a forma de elogios, promessas e lugares-comuns.

Uma mulher que sai para um primeiro encontro poderia ter não a preocupação do que aquele homem pode dar a ela, mas, ao contrário, do que ela pode dar àquele homem. E obviamente eu não me refiro a sexo, embora ele possa ocorrer.

Por que não ter como objetivo transformar algumas horas do dia desse homem numa experiência prazerosa? Por que não pensar que talvez haja um náufrago do outro lado da mesa e que esse náufrago queira apenas que alguém entenda isso? Talvez haja um sedento de inteligência, de gratuidade, de bobagens, de compreensão, de silêncio. Talvez haja um homem tão cansado de cumprir papéis quanto você e você vai sair para cobrar dele justamente mais um espetáculo nesse mesmo cansativo papel?

Em vez de querer amor, por que não sair para dar amor? Amizade é amor. Atenção é amor. Ficar em silêncio é amor. Dar as mãos sem a necessidade de nada mais é amor. Emprestar um livro ou um CD especial é amor. Se preocupar com o outro mais do que com você é amor.

Você não tem nenhum controle sobre o que vai receber de alguém, mas tem controle absoluto sobre o que dá, então que tal fazer um uso generoso disso? Saia do seu umbigo de mulher sofrida (qual de nós, não é?) e se doe sem desejar nada além. Experimente pensar com carinho apenas no bem-estar do outro. Quem sabe esse outro não sai de casa com o mesmo intuito? Desse modo, talvez, apenas talvez, possa acontecer um bom primeiro encontro...


domingo, 5 de maio de 2013

O que pode ser tão frágil que precisa ser guardado numa caixa de silêncios?

O que pode ser tão forte que precisa ser exposto nessa vitrine de gritos?

O que pode ser tão raro que não possa ser incluso na lista dos desapegos?


(Sei que maio desliza entre as pernas nos convidando a apressar o passo.)

quinta-feira, 25 de abril de 2013

O que o vento não levou...

No fim tu hás de ver que as coisas mais leves são as únicas
que o vento não conseguiu levar:

um estribilho antigo,
um carinho no momento preciso, o folhear de um livro de poemas, o cheiro que tinha um dia o próprio vento...

quarta-feira, 24 de abril de 2013

"Hoje eu acordei com medo mas não chorei
Nem reclamei abrigo
Do escuro eu via um infinito sem presente
Passado ou futuro
Senti um abraço forte, já não era medo
Era uma coisa sua que ficou em mim... "
Só quem arrepia cada centímetro do seu corpo e faz você sentir o sangue bombear num ritmo charmoso, é capaz de estragar o mundo quando parte.
Quando alguém realmente especial chega

Ah, os apelos... Os apelos de amor rasgados! Há algo mais inútil?

Quando alguém realmente especial chega, você não precisa pedir para que ele te dê uma chance: ele dá.

Você não precisa pedir para que ele entre na sua vida: ele entra.

Você não precisa inventar peripécias para que ele te convide para sair: ele convida.

Você não precisa pedir para andar de mãos dadas: ele não te deixa solta na rua como uma pipa no furacão.

Você não precisa implorar um cantinho num vaso estreito para lançar sua semente: no jardim dele, a terra roxa, úmida e batida de sol é toda sua – e só sua.
Você não precisa pedir elogios: ele te elogia.

Você não precisa colher sôfrega raspas e restos do chão: ele te dá tudo e ele se dá todo.

Você não precisa insinuar que seria delicado se ele retirasse seu perfil do Par Perfeito: ele retira.

Você não precisa pedir que ele te beije sempre a boca e que durma abraçado em você e que deixe seus líquidos de amor secarem devagar pelas peles coladas: seus corpos se entendem muito antes da linguagem existir.

Você não precisa avisar você é um tesouro: ele sabe.

Você não precisa implorar baixinho para que um dia, talvez, quem sabe, se possível, ele diga que te ama: palavras carinhosas escorrem em cascata pela boca, pelos olhos e, sobretudo, pelas atitudes dele.

Porque quando alguém realmente especial chega, você não precisa pedir mais nada: o amor te dá tudo.